INSTITUTO HISTÓRICO E GEOGRÁFICO PARAIBANO/IHGP
Fundado em 7 de setembro de 1905
Declarado de Utilidade Pública pela Lei no 317, de 1909
CGC 09.249.830/0001-21 - Fone: 0xx83 3222-0513
CEP 58.013-080 - Rua Barão do Abiaí, 64 - João Pessoa-Paraíba

| Inicial | O Que é o IHGP? | Histórico | Símbolos do IHGP | Diretoria | Sócios | Biblioteca | Arquivo |
| Museu | História da Paraíba | Publicações | Links | E-mail | Livro de Visitas | Notícias |

Sócios Fundadores do IHGP

(BREVES NOTAS)

 

 

1) ANTÔNIO ALFREDO DA GAMA E MELO

JORNALISTA E POLÍTICO

 

Nasceu na capital do Estado, a 1º de outubro de 1849. Formou-se em Direito. Dedicou-se ao magistério, sendo lente de Latim e Diretor do Liceu Paraibano. Exercitou-se também como jornalista e foi excelente orador. Depois de ter sido Inspetor da Alfândega durante o Império elegeu-se Deputado e Vice-Presidente da Província e ainda Deputado Geral da República. Foi escolhido Presidente do Estado, de 1896 a 1900. Concluído o mandato, elegeu-se Senador da República, em cujo exercício veio a falecer, a 10 de abril de 1908. Possuía a condecoração da Ordem da Rosa, no grau de Oficial. É patrono da cadeira nº. 17 da Academia Paraibana de Letras.

 

2) ANTÔNIO FERREIRA BALTHAR

MAGISTRADO E POLÍTICO

 

Nasceu em Pernambuco, em 1848, onde se formou em Direito. Moço ainda, passou a residir na Paraíba. Senhor de engenho na cidade de Espírito Santo, dedicou-se por algum tempo às atividades rurais. Foi Promotor Público e Procurador Geral do Estado e, por mais de uma vez, Chefe de Polícia do Estado. Tomou parte no movimento armado que, em 28 de dezembro de 1891, culminou com a deposição do Presidente Venâncio Neiva. Em 1892, era nomeado Juiz de Direito de Sousa, ascendendo a Desembargador do Tribunal de Justiça, nomeado pelo Presidente Álvaro Machado, em 1893. Conta-se entre os primeiros redatores do jornal A União. Faleceu na capital paraibana aos 23 de fevereiro de 1917.

 

3) ANTÔNIO HORTÊNCIO CABRAL DE VASCONCELOS

PROCURADOR E POLÍTICO

 

Nasceu em Ingá aos 13 de maio de 1855. Bacharelou-se em Direito, em 1888; dedicou-se à advocacia, estabelecendo-se com escritório na capital. Exerceu o cargo de Procurador Fiscal dos Feitos da Fazenda Estadual e, depois, o de Procurador da República. Anteriormente fora eleito Deputado Estadual à Constituinte de 1891, sendo um dos autores do anteprojeto da primeira Constituição Republicana da Paraíba. Publicou trabalhos sobre O Motor Automático, invenção que apresentou em conferências públicas. Era musicista e poeta. Sua produção em versos ficou inédita, enquanto tornou-se bastante conhecida, na época, a valsa de sua autoria - “Constituintes”. Foi um dos fundadores do Clube Astréa, em 1886, tendo sido também redator de O Estado da Paraíba. Faleceu aos 7 de maio de 1924.

 

4) ÁLVARO EVARISTO MONTEIRO

MILITAR E ARTISTA

 

Nasceu em Areia a 19 de fevereiro de 1870. Quando jovem, participou de elenco teatral, que, sob a direção de Octacílio de Albuquerque, se apresentava no Teatro Minerva, de sua cidade natal. Fez-se oficial do Exército, alcançando o posto de Major. Como Tenente-Coronel comissionado, foi Comandante da Força Pública, hoje Polícia Militar, no Governo João Machado, de outubro de 1908 a outubro de 1912. Durante seu comando deu-se o levante chefiado pelo Dr. Augusto Santa Cruz, Promotor Público que, em maio de 1911, à frente de 200 homens armados, invadiu a cidade de Alagoa de Monteiro, alegando vingança contra pretensas desfeitas sofridas pela justiça local. Para fazer face à luta, o Comandante obteve do Governo a criação de uma Companhia isolada da Força Pública, que ficou sediada em Campina Grande, unidade precursora do atual 2º B.P.M. Faleceu na capital do Estado a 18 de março de 1917.

 

5) ÁLVARO LOPES MACHADO

MILITAR E POLÍTICO

 

Nasceu em Areia, a 5 de março de 1859. Seguiu a carreira das armas, atingindo o posto de General de Brigada, no qual foi reformado. Como engenheiro militar, foi Professor na Escola de Realengo. Decidiu-se pela política, sendo eleito Senador e Governador do Estado. Governou a Paraíba em dois períodos, de 1892 a 1896 e 1904 a outubro de 1906, quando renunciou, para se eleger Senador. Em sua última administração como Chefe do Governo estadual, incentivou a criação do Instituto Histórico e Geográfico Paraibano, que o reconheceu como fundador e, mais tarde, como sócio benemérito. Também, na sua primeira gestão, criou o jornal A União, órgão oficial do Estado. Faleceu a 30 de janeiro de 1912.

 

6) ARTHUR ACHILLES DOS SANTOS

JORNALISTA E POLEMISTA

 

Nasceu em Pedras de Fogo, a 20 de junho de 1864. Jornalista por vocação, após concluir o curso de humanidades, no Liceu Paraibano, dedicou-se à militância na imprensa. Para garantir o próprio sustento, foi auxiliar do comércio, despachante aduaneiro e, mais tarde, professor e Diretor do Arquivo Público. No Governo Gama Rosa, em 1892, foi seu Oficial de Gabinete. Dirigiu A Voz do Povo e o O Comércio. Polemista afamado, era considerado o príncipe do nosso jornalismo e mereceu do Presidente Castro Pinto o epíteto de “cotovia madrugadora dos ideais paraibanos”, pela coragem com que defendia os interesses da terra. Ao morrer, em Recife, aos 28 de novembro de 1916, confessava-se, em suas últimas vontades que vieram a público, “um incompreendido, e até caluniado, mas sempre crente em Deus e atento às Leis do Decálogo”. É hoje patrono da Cadeira nº. 16 do Instituto Histórico e Geográfico Paraibano e da Cadeira nª. 7, da Academia Paraibana de Letras.

 

7) APOLÔNIO ZENAIDE PEREGRINO DE ALBUQUERQUE

MAGISTRADO E POLÍTICO

 

Nasceu em Patos, a 6 de junho de 1857. Formou-se em Direito, em 1881. Exerceu a Promotoria Pública em Alagoa Grande e a judicatura em Teixeira. Decidindo-se pela política, inscreveu-se no Partido Conservador, pelo qual foi eleito Deputado Provincial. Na República, foi Constituinte de 1892, exercendo por mais de uma vez a Presidência da Assembléia. Conseguiu mandato federal, elegendo-se e reelegendo-se nosso representante como Deputado. Por último, escolhido Senador da República, faleceu no Recife, aos 13 de agosto de 1906, quando se dirigia ao Rio de Janeiro para assumir a cadeira para a qual fora eleito.

 

8) CARLOS COELHO DE ALVERGA

FUNCIONÁRIO PÚBLICO E POLÍTICO

 

Nasceu em Mamanguape, aos 9 de março de 1864. Estabeleceu-se, por algum tempo, como comerciante na capital, onde foi escolhido Deputado da Junta Comercial do Estado. Amigo e compadre do Presidente Gama e Melo, a convite deste, exerceu as funções de membro do Conselho Municipal. Ingressando como funcionário público na Fazenda Federal, aposentou-se no cargo de Tesoureiro da Delegacia Fiscal do Tesouro Nacional. Como componente da antiga Guarda Nacional, alcançou o posto de Tenente-Coronel. Foi promotor da campanha de subscrição de fundos, em todos os municípios paraibanos, destinada a erigir, em praça pública, monumento ao grande pintor Pedro Américo. Conta-se, ainda, entre os que idealizaram a fundação do Orfanato D. Ulrico. Faleceu a 31 de março de 1944.

 

9) CÍCERO BRASILIENSE DE MOURA

PROFESSOR E JORNALISTA

 

Nasceu na capital da então Província da Paraíba, em 1857. Exerceu os cargos de Chefe de Polícia e Procurador Fiscal dos Feitos da Fazenda Estadual. Dedicou-se ao magistério como Professor do Liceu Paraibano e Escola Normal Oficial do Estado. Além de advogado militante, tornou-se vigoroso jornalista, destacando-se como dos principais redatores de A Gazeta da Paraíba e de A Imprensa. Faleceu aos 28 de julho de 1927.

 

10) EUTÍQUIO DE ALBUQUERQUE AUTRAN

ADVOGADO E MAGISTRADO

 

Nasceu em Pernambuco, aos 22 de janeiro de 1867. Após sua formatura em Direito, dedicou-se à advocacia. Aos 9 de fevereiro de 1900 foi nomeado Juiz Municipal do Termo da Capital. Extinto o cargo, foi nomeado Juiz de Direito da 3ª. Vara, em 3 de novembro de 1902, sendo removido para a 1ª. Vara, em 28 de dezembro de 1904. Posto em disponibilidade a 23 de março de 1916, em 22 de janeiro de 1937 atingiu à aposentadoria compulsória. Faleceu nesta capital.

 

11) EUTIQUIANO INÁCIO DE LOIOLA BARRETO

JORNALISTA E SERVENTUÁRIO DA JUSTIÇA

 

Nasceu a 31 de julho de 1868, em Canafístula (hoje cidade de Caldas Brandão). Como jornalista fez parte do corpo redacional de A Província, jornal editado no Recife. Foi gerente de O Estado da Paraíba, Além de jornalista, era poeta, autor de inspirados sonetos que deixou inéditos. Foi o primeiro escrivão da Justiça Federal, instalada na Paraíba, em 1890. Conservou-se no cargo por 43 anos, tendo prestado excelentes serviços como serventuário, durante a judicatura de oito juizes. Faleceu em João Pessoa, a 30 de setembro de 1933.

 

12) FRANCISCO SERAPHICO DA NÓBREGA

PROFESSOR E POLÍTICO

 

Nasceu em Santa Luzia do Sabugi, aos 29 de novembro de 1863. Formou-se em Direito, em 1894, no Rio de Janeiro, onde, por algum tempo advogou e dedicou-se ao magistério. Exerceu elevadas posições na vida pública, nos três Poderes. Deputado estadual por mais de uma legislatura. Eleito 2º Vice-Presidente do Estado, teve a oportunidade de assumir o Governo de fevereiro a junho de 1905. De 1909 a 1916, foi Deputado Federal. Exerceu o cargo de Procurador Geral do Estado, de 1927 a 1931. Novamente eleito Deputado, faleceu a 24 de maio de 1935, logo após haver assinado a nova Constituição do Estado. Compôs a Diretoria do Instituto Histórico e Geográfico Paraibano, como seu primeiro Presidente, em 1905, exercendo o cargo até 1907. É patrono da Cadeira nº. 17 do IHGP.


13) FRANCISCO COUTINHO DE LIMA E MOURA

MILITAR E POLÍTICO

 

Nasceu na antiga capital da Província, aos 8 de abril de 1867. Fez os preparatórios no Liceu Paraibano, matriculando-se algum tempo depois na Faculdade de Direito do Recife, onde somente cursou três anos. Conseguiu, mais tarde, autorização da Ordem dos Advogados para solicitador de causas. Foi Chefe da Estação telegráfica de Alagoa Grande, Administrador da Imprensa Oficial, lente do Liceu Paraibano e da Escola Normal; como Tenente-Coronel do Exército de 2ª Linha, fundou o Tiro de Guerra Paraibano. Correligionário e amigo do Presidente Gama e Melo, foi seu Oficial de Gabinete, sendo eleito Deputado Estadual em 1899. Como jornalista, colaborou em diversos jornais. Escreveu em três volumes o livro Reminiscências, no qual recorda figuras e fatos da vida social e política do Estado, em diversas fases. É atualmente patrono da Cadeira nº. 38 do Instituto. Faleceu em Niterói, aos 25 de fevereiro de 1957.

 

14) FRANCISCO JOAQUIM PEREIRA BARROSO

JORNALISTA E TEATRÓLOGO

 

Nasceu em Mamanguape, a 10 de abril de 1856. De início, estabeleceu-se como farmacêutico prático em sua cidade natal. Abolicionista convicto, ali fundou com Castro Pinto, Luiz Aprígio e Rodrigues de Carvalho, um dos poucos clubes libertadores da Paraíba. Tendo viajado ao Porto, Portugal, terra dos seus pais, lá estudou, retornando depois ao Brasil como jornalista. Foi redator de vários jornais, no Amazonas e Pernambuco. Na Paraíba, atuou no Correio da Manhã e na Gazeta do Comércio, da qual foi diretor e em cujas páginas escreveu Notas Históricas sobre a Revolução de 1817. Dedicou-se à teatrologia, escrevendo vários dramas, comédias e romances. Foi Diretor do Teatro Santa Roza, exercendo ainda o magistério. Faleceu em 1931.

 

15) FRANCISCO DE ASSIS DE ALBUQUERQUE

SACERDOTE E PROFESSOR

Nasceu em Natal, Rio Grande do Norte, aos 4 de outubro de 1865. Estudou nos Seminários de Olinda e Fortaleza, onde concluiu os estudos teológicos, ordenando-se Padre, em 1891. Exerceu o ministério sacerdotal no Rio Grande do Norte e na Paraíba, onde foi Vigário da Igreja Catedral e Cura da Sé Metropolitana. Em cumprimento de um voto, fez erigir em praça pública, nas proximidades daquele templo, na capital do Estado, um belo monumento à Virgem de Lourdes. Recebeu como títulos honoríficos eclesiásticos os de Cônego do Cabido e Monsenhor. Foi ainda professor no Seminário, na Escola Normal e no Liceu Paraibano. Faleceu a 13 de agosto de 1945.

 

16) FRANCISCO CARLOS C. DE ALBUQUERQUE

PROMOTOR E SERVENTUÁRIO DA JUSTIÇA

 

Francisco Carlos Cavalcanti de Albuquerque nasceu em Mamanguape, aos 22 de abril de 1863. Após formado em Direito pela Faculdade do Recife, foi Promotor Público em Ingá e Mamanguape, e, ainda, suplente de Juiz Substituto Federal na Paraíba. No Governo João Machado, de 1908 a 1912, exerceu o cargo de Chefe de Polícia, quando atuou energicamente no combate aos desordeiros, conseguindo sufocar o levante chefiado por Dr. Santa Cruz, em Alagoa do Monteiro. Posteriormente foi nomeado Secretário do Tribunal de Justiça do Estado, ocupando o cargo até sua morte, aos 9 de outubro de 1923.

 

17) FRANCISCO DE GOUVEIA NÓBREGA

ADVOGADO E MAGISTRADO

 

Nasceu em Soledade, aos 18 de junho de 1865. Após o curso de humanidades no Liceu Paraibano, matriculou-se na Faculdade de Direito do Recife, onde se bacharelou em 1891. Exerceu a Promotoria Pública em Manhuaçu (Minas Gerais) e advocacia em Campinas (São Paulo). Retornando à Paraíba, além das lides do foro, incursionou pela política, exercendo de 1896 a 1899 o mandato de Deputado Estadual. Foi fiscal junto ao Liceu Paraibano e exerceu o cargo de Juiz Federal substituto durante 29 anos. Faleceu no Rio de Janeiro, aos 20 de março de 1936.

 

18) FRANCISCO INÁCIO CARNEIRO

PROFESSOR E POLÍTICO

 

Nasceu em 1858. Durante muitos anos prestou serviços como serventuário da Justiça, no cargo de 1º Tabelião e Escrivão de Órfãos e do Registro Civil da Comarca de Cruz do Espírito Santo, com exemplar correção. Exerceu notável atividade como líder católico na Paróquia local, de cuja Conferência Vicentina foi Presidente. Faleceu naquela cidade aos 7 de março de 1919.

 

19) FRANCISCO JOSÉ RABELO

PROFESSOR E POLÍTICO

 

Como Professor, exerceu a cátedra na Escola Normal Oficial, da qual foi também Diretor. Ocupou ainda a Diretoria da Instrução Pública do Estado. Militou na política partidária, tendo sido eleito Deputado Provincial. Foi também Secretário do Governo, em 1883. Jornalista combativo, dirigiu o Diário da Paraíba. Faleceu em 24 de fevereiro de 1907.

 

20) FRANCISCO PEDRO CARNEIRO DA CUNHA

ROMANCISTA E POETA

 

Nasceu na capital, aos 5 de março de 1850. Exerceu funções públicas no Fisco Estadual, no Arquivo Público, onde foi chefe de seção de Estatística da Secretaria de Estado, da qual chegou a ser Diretor. Colaborou nos jornais da terra, publicando poesias, conto e romances de costumes. Pertencia à Guarda Nacional no posto de Tenente-Coronel. Faleceu no Rio de Janeiro, aos 29 de maio de 1940.

 

21) FRANCISCO XAVIER JÚNIOR

PEDAGOGO E ESCRITOR

Nasceu em Pilar, a 31 de julho de 1853. Tendo feito humanidades no Liceu Paraibano, matriculou-se na Faculdade de Direito, mas não concluiu o Curso, dedicando-se ao magistério. Foi professor de Português, Geografia e História do Brasil. Exerceu a Diretoria do Liceu Paraibano, da Escola Normal Oficial e da Instrução Pública do Estado. Escreveu o livro didático Lições da Língua Materna. Militou por algum tempo na imprensa, e, como abolicionista, fundou, em Areia, o jornal A Verdade. Elegeu-se Deputado Estadual como constituinte em 1891. Era Prefeito da Capital quando se fundou o Instituto Histórico e Geográfico Paraibano, do qual foi seu Presidente em 1908 a 1909. Faleceu no Rio de Janeiro, a 1º de maio de 1935.

 

22) FLÁVIO FERREIRA DA SILVA MAROJA

MÉDICO E POLÍTICO

 

Nasceu em Pilar, a 1º de setembro de 1864. Estudou Medicina na Bahia e no Rio de Janeiro, em cuja Escola concluiu o Curso, em 1888, retornando à Paraíba. Em 1891, foi eleito Deputado Constituinte e, mais tarde, Presidente da Assembléia Legislativa. Médico do Exército por concurso, serviu na Guarnição de Goiás. Deixando voluntariamente a farda, dedicou-se à clínica em seu Estado natal, tornando-se um dos mais renomados sanitaristas da região. Fundou a Sociedade de Medicina e Cirurgia da Paraíba, da qual foi o primeiro Presidente. Presidiu o Instituto Histórico e Geográfico Paraibano durante 24 anos, nos períodos 1907/08 e 1909/32, quando foi eleito Presidente de Honra. Durante quase 50 anos foi Diretor do Hospital Santa Isabel. Como jornalista colaborou na A União e no O Comércio. Foi 1º. Vice-Presidente do Estado no quatriênio Solon de Lucena (1920-1924). Faleceu aos 15 de fevereiro de 1940.

 

23) FÉLIX JOAQUIM DALTRO CAVALCANTI

MAGISTRADO E POLÍTICO

 

Nasceu em Cabaceiras, em 1850. Depois de colar grau em Direito pela Escola de Olinda, em 1880, foi Promotor Público em Campina Grande. Abraçando a magistratura, tornou-se Juiz Municipal em Piancó. Na República, foi nomeado Juiz de Direito em Taperoá (antigo Batalhão) e, mais tarde, posto em disponibilidade. Como político, cita-se entre os fundadores do Partido Autonomista da Paraíba, ao lado de Venâncio Neiva, Epitácio Pessoa, Cunha Pedrosa, Almeida Barreto, entre outros. Exerceu a Prefeitura de Taperoá por alguns anos, e, eleito Deputado Estadual na legislatura de 1908 a 1911, reelegeu-se ainda em mais outras, tendo alcançado a Vice-Presidência da Assembléia, em 1917. Faleceu em Taperoá, a 11 de janeiro de 1920.

 

24) GONÇALO DE AGUIAR BOTO DE MENEZES

MAGISTRADO E POLÍTICO

 

Nasceu a 25 de setembro de 1843, em Divina Pastora, Estado de Sergipe. Bacharelou-se em Direito, em 1864. Tornando-se magistrado, exerceu a judicatura em Sergipe e Goiás. Em sua terra natal foi ainda Chefe de Polícia, Diretor da Instrução Pública, Procurador Fiscal, Deputado e Vice-Presidente da Província. Transferido para a Paraíba, como Juiz de Cajazeiras, teve a oportunidade de privar da amizade do Padre-Mestre Inácio Rolim, fundador da cidade. Serviu depois como Juiz de Mamanguape. No governo Gama e Melo foi nomeado Chefe de Polícia. Promovido a Desembargador, em 1890, tomou assento como membro do Superior Tribunal de Justiça do Estado. Jornalista, escrevia para A República e o Estado da Paraíba. Faleceu na capital paraibana, aos 10 de maio de 1930.

 

25) HERÁCLITO CAVALCANTI CARNEIRO MONTEIRO

MAGISTRADO E POLÍTICO

 

Nasceu em Bananeiras, a 8 de março de 1872. Depois de bacharelado em Ciências Jurídicas e Sociais, foi, em 1894, nomeado Juiz de Direito de Itabaiana e mais tarde, em 1908, Desembargador do Tribunal de Justiça. Empenhou-se em lutas partidárias, tendo pertencido à ala walfredista, na época do rompimento de Mons. Walfredo Leal com Epitácio Pessoa. Em 1930, fez oposição ao Presidente João Pessoa, como chefe do Partido Republicano Paulista no Estado, sendo posto em disponibilidade por decreto de 1º de fevereiro daquele ano. Espírito humanitário e caridoso, fundo na capital, em 1922, o Orfanato “D. Ulrico”, obra assistencial de reconhecidos méritos, em favor das meninas órfãs e abandonadas. Faleceu no Recife, a 16 de outubro de 1935.

 

26) IRINEU FERREIRA PINTO

HISTORIADOR E POETA

 

Nasceu na capital, a 7 de abril de 1881. De família pobre, tornou-se, logo cedo, burocrata, tendo servido na administração dos Correios e na Secretaria de Estado. Dedicando-se às pesquisas históricas, vivia de lente em punho examinando valiosos documentos, alguns dos quais de grande interesse, que conseguiu trasladar dos arquivos europeus, uma vez que, no Governo Castro Pinto, foi comissionado e viajou a Portugal com aquela finalidade. Fez parte de diversas entidades culturais do país e do estrangeiro. Foi Presidente do Club Benjamin Constant, sociedade cívico-patriótica. Lecionou Geografia e História Pátria. Cultor das musas produziu versos líricos, e, como historiador, editou dois volumes sob o título Datas e Notas para a História da Paraíba, além de importantes estudos publicados na Revista do IHGP. Por ter sido o primeiro Bibliotecário, tornou-se seu Patrono e o IHGP é hoje chamado a “Casa de Irineu Pinto”. Seu nome patrocina a Cadeira nº. 18 da Academia Paraibana de Letras e a Cadeira nº. 24 do Instituto Histórico e Geográfico Paraibano. Faleceu a 27 de março de 1918.

 

27) JOÃO AMÉRICO DE CARVALHO

MAGISTRADO E ORADOR

 

Nasceu em Pedras de Fogo no ano de 1846. Bacharelou-se em Direito pela antiga Escola de Olinda, em 1873. Exerceu a advocacia com escritório na capital. Depois de ter sido Promotor Público em diversas Comarcas, foi Juiz Municipal em Pilar e São João do Cariri. Amigo fiel do Presidente 2Venâncio Neiva, fez-se um dos líderes do Partido Autonomista do Estado. Atuou como Fiscal Federal junto ao Liceu Paraibano, durante muito tempo. Conhecido por “Dr. Carvalhinho”, por conta de sua baixa estatura. Tornou-se apreciado orador, cabendo-lhe pronunciar histórico discurso, quando da inauguração da placa indicativa da Praia Formosa, em 15 de janeiro de 1906. Faleceu em 18 de setembro de 1919.

 

28) JOÃO BATISTA DE SÁ ANDRADE

MÉDICO E POLÍTICO

 

Nasceu em Sousa, a 1º de maio de 1865. Formou-se em Medicina pela Escola da Bahia. Exerceu o cargo de Inspetor da Higiene do Estado. Dedicou-se ao jornalismo, colaborando com O Comércio, de Arthur Achilles. Pugnou pela República e, após o advento desta, elegeu-se a Deputado Constituinte. Amante da música, criou, em 1902, um Centro de Cultura Musical, denominado Club Symphonico da Parahyba. Quando saudava, em nome da juventude acadêmica, o tribuno Silva Jardim, em sua passagem pela Bahia, foi gravemente ferido. Silva Jardim viajava no mesmo navio em que se encontrava o Conde D’Eu. João Batista de Andrade é patrono do Hospital Regional de Sapé. Faleceu a 24 de julho de 1912, no Rio de Janeiro.

 

29) JOÃO DE LYRA TAVARES

HISTORIADOR E POLÍTICO

 

Nasceu em Goiana (Pernambuco), a 23 de novembro de 1871. Ainda criança, fixou residência no Rio Grande do Norte, onde militou na imprensa. Destacou-se como ardoroso propagandista da Abolição. Transferindo-se para a Paraíba, foi eleito e reeleito Deputado, e, por fim, Senador pelo Rio Grande do Norte. Exerceu o magistério como professor do Liceu Paraibano e da Escola Normal. Pertenceu à Guarda Nacional no posto de Tenente-Coronel. Colaborou assiduamente na imprensa, em especial em A República. Editou, por muitos anos, o Almanaque do Estado da Paraíba. Escreveu: Apontamentos para a História Territorial da Paraíba, Pontos de História Pátria e Economia e Finanças dos Estados. Faleceu no Rio de Janeiro, aos 28 de dezembro de 1930.

 

30) JOÃO LEOPOLDINO DA SILVA FLORES

JORNALISTA E FUNCIONÁRIO PÚBLICO

 

Nasceu na capital do Estado, em 1872. Exerceu por longos anos o cargo de amanuense dos Correios e Telégrafos, no qual foi aposentado. Serviu também como agente na Agência da mesma Repartição, no Varadouro. Militou algum tempo no jornalismo, escrevendo em diversas folhas locais e em revistas do Rio de Janeiro, como O Malho e Fon-Fon. Amante da Literatura e da Historia, possuía em sua biblioteca particular mais de 3.000 volumes. Faleceu aos 21 de abril de 1940.

 

31) JOÃO MACHADO DA SILVA

MAGISTRADO E JORNALISTA

 

Nasceu em Goiana (Pernambuco), aos 16 de março de 1862. Formou-se em Direito, em 1898. Dedicou-se à advocacia. Foi Promotor Público em diversas comarcas do sertão paraibano, inclusive Taperoá, onde nasceu seu filho, o poeta Raul Machado. Exerceu ainda os cargos de Juiz Municipal em Espírito Santo, na Paraíba, Procurador Fiscal, Juiz de Direito em Minas Gerais e Santa Catarina, Promotor da Justiça Militar, em Recife. Além de bom orador, era apreciado jornalista. Retornando à Paraíba, voltou à banca de advogado. Faleceu a 31 de maio de 1928.

 

32) JOÃO RODRIGUES CORIOLANO DE MEDEIROS

EDUCADOR E POLÍGRAFO

 

Nasceu em Patos, a 30 de novembro de 1875. Após os preparatórios, dedicou-se ao magistério, não tendo concluído o Curso Jurídico que iniciara no Recife. Foi professor e Diretor da antiga Escola de Aprendizes Artífices, depois Escola Técnica Federal. Fundou a Academia Paraibana de Letras, tendo ocupado a Cadeira nº. 7, que tem como Patrono o jornalista Arthur Achilles. Estudos históricos, corográficos e folclóricos, contos, romances, biografias, reminiscências, foram algumas de suas obras, que o converteram em verdadeiro polígrafo. São de sua autoria Dicionário Corográfico do Estado da Paraíba, O Barracão, Do Litoral ao Sertão, O Tambiá de minha infância, Sampaio, Manaíra, entre outros. Ao completar 90 anos de idade, o IHGP concedeu-lhe o título de Sócio Honorário e seu nome, atualmente, patrocina a Cadeira nº. 7 do IHGP.

 

33) JOÃO PEREIRA DE CASTRO PINTO

POLÍTICO E TRIBUNO

 

Nasceu a 3 de novembro de 1863, em Mamanguape. Bacharelou-se em Direito, em 1886, tendo sido companheiro de Epitácio Pessoa. Advogou em Belém do Pará e foi Juiz Federal substituto. Exerceu a Promotoria Pública de Mamanguape, Vitória (Pernambuco), Fortaleza e Belém do Pará. Elegeu-se Deputado Federal em 1906, e, Senador da República, em 1908. Governou a Paraíba de 1912 a 1916. Concluído o quatriênio, fixou-se o Rio de Janeiro. Tanto no Parlamento como nas tribunas políticas, tornou-se conhecido como um dos maiores oradores do seu tempo. Faleceu no Rio de Janeiro, aos 11 de julho de 1944. Patrocina a Cadeira nº. 33 da Academia Paraibana de Letras.

 

34) JOÃO TAVARES DE MELO CAVALCANTI

MAGISTRADO E POLÍTICO

 

Nasceu em Campina Grande, aos 13 de outubro de 1848. Formou-se em Direito em 1872, e iniciou-se na advocacia em Campina Grande. Exerceu a judicatura como Juiz Municipal em Piancó, Misericórdia e Alagoa Nova; foi nomeado Juiz de Direito de Teixeira. Antes da República, já tinha sido Deputado Provincial, em 1882, depois foi Deputado Constituinte, em 1892. Político, governou como Prefeito o município de Alagoa Nova, e, em 1900, candidatou-se ao Governo do Estado, não logrando, porém, eleger-se. Faleceu em Alagoa Nova, aos 10 de janeiro de 1910.


35) JOSÉ FRANCISCO DE MOURA

FARMCÊUTICO E EDUCADOR

 

Nasceu na capital do Estado. Concluiu o Curso de Farmácia na Escola de Medicina da Bahia. Iniciou-se no magistério como professor do Liceu Paraibano e na Escola Normal Oficial, da qual foi Diretor. Exerceu os cargos de Diretor da Biblioteca Pública, Inspetor do Tesouro e Secretário Geral do Estado. Em 1899, elegeu-se Deputado Estadual. Foi redator do jornal A República, sob a direção do Senador Gama e Melo. Faleceu no Rio de Janeiro, aos 6 de agosto de 1938.

 

36) JOSÉ JÚLIO LINS DA NÓBREGA

MÉDICO E PROFESSOR

 

Nasceu em Pilar, aos 2 de julho de 1875. Formou-se em Medicina pela Faculdade do Rio de Janeiro. Colaborou na obra assistencial de D. Ulrico Sonntag; lecionou na Escola gratuita, anexa ao Mosteiro de São Bento, nesta capital, mantida por aquele caridoso monge. Durante muitos anos exerceu o cargo de Delegado da Saúde do Porto de Cabedelo. Faleceu em Recife, aos 22 de setembro de 1930.

 

37) JOÃO MANOEL PEREIRA PACHECO

MÉDICO E ORADOR

 

Nasceu em Aracati (Ceará), em 22 de janeiro de 1852. Médico, exerceu a clínica na capital paraibana, onde se radicou. Republicano exaltado ao lado de Silva Jardim e Maciel Pinheiro tornou-se arauto e propagandista de seus ideais. Participou ele próprio como soldado do exército libertador, componente que foi do Batalhão Acadêmico que atuou, em 15 de novembro de 1889. Foi testemunha ocular de quando o Marechal Deodoro da Fonseca, no antigo Campo de Santana, a cavalo de espada em punho fez render-se o Quartel do 2º Regimento de Artilharia, após a prisão do antigo Ministro Barão de Ladário. Na Paraíba, foi ainda Professor do Colégio Pio X, jornalista, orador e conferencista apreciado. Exerceu a chefia da seção da Agricultura, anexa à Secretaria do Estado e Diretoria das Obras Públicas, no Governo João Machado. Faleceu a 22 de outubro de 1910.

 

38) JOSÉ PEREGRINO DE ARAÚJO

MAGISTRADO E POLÍTICO

 

Nasceu em Santa Luzia do Sabugi, em 18 de novembro de 1840. Formou-se em Direito em 1886, tendo como companheiro de turma o Barão do Rio Branco. Foi Juiz de Direito de Caicó, no Rio Grande do Norte. Elegeu-se Deputado Provincial e Geral pela Paraíba, e, na República, Deputado Constituinte em 1892, pelo Rio Grande do Norte. Retornando à Paraíba, foi nomeado Desembargador do Tribunal de Justiça, em 1893. Abandonou a judicatura, dedicando-se novamente à política, tendo conseguido eleger-se 2º Vice-Presidente no período de 1896-1900 e daí a 1904, Presidente do Estado. Terminado o mandato executivo, elegeu-se Deputado Federal. Faleceu a 5 de outubro de 1913.

 

39) JOSÉ TOMAZ GOMES DA SILVA

PRELADO E ORADOR SACRO

 

Nasceu em Martins (Rio Grande do Norte), aos 4 de agosto de 1873. Fez os preparatórios no Liceu Paraibano. Dedicando-se à vida eclesiástica, estudou no Seminário de Olinda, concluindo o curso no Seminário da Paraíba. Ordenou-se sacerdote a 15 de novembro de 1896. Na Paraíba foi Secretário do Bispado, Diretor Espiritual e Professor no Seminário, Visitador Diocesano, e, primeiro Diretor do jornal A Imprensa. Depois de ter sido Cônego do Cabido e Monsenhor, foi eleito Bispo da recém-criada Diocese de Aracaju, a 7 de março de 1911, sendo sagrado na Catedral da Paraíba, a 19 de novembro do mesmo ano. Distinguiu-se como notável orador sacro, desde os tempos em que missionou no território dos Estados da Paraíba e do Rio Grande do Norte, que compunham a jurisdição eclesiástica da antiga Diocese da Paraíba. Exerceu múnus episcopal durante 37 anos, até 31 de outubro de 1948, quando faleceu em Aracaju.


40) MATHEUS AUGUSTO DE OLIVEIRA

ENGENHEIRO E EDUCADOR

 

Nasceu em Recife, a 21 de setembro de 1878. Formou-se em Engenharia, em 1901. Fixando-se na Paraíba, foi nomeado Professor de Ciências Físicas e Naturais e Inglês no Liceu Paraibano, e de Português na Escola Normal Oficial e no Colégio Pio X. Como engenheiro, exerceu o cargo de Inspetor das Obras contra as Secas. Na qualidade de Delegado do Estado, representou a Paraíba na Exposição Internacional, em S. Louis, nos Estados Unidos, em 1906. Foi Diretor de O Norte e colaborou ainda em outros órgãos da imprensa local. Em 1930, desempenhou funções de Conselheiro Municipal da Capital. Faleceu no Rio de Janeiro em 1968.

 

41) MANOEL ANTÔNIO DE PAIVA

PRELADO E JORNALISTA

 

Nasceu em Gurinhém, aos 25 de abril de 1873. Cursou humanidades e filosofia no Seminário de Olinda, transferindo-se para o da Paraíba, onde concluiu o curso eclesiástico, ordenando-se padre a 15 de novembro de 1896. Além de algumas funções paroquiais, exerceu a Reitoria do Seminário, do qual foi professor de Teologia Moral e Direito Canônico. Como jornalista atuante, foi Diretor do órgão diocesano A Imprensa e do Boletim Eclesiástico. Eleito Bispo de Ilhéus, na Bahia, a 15 de março de 1915, foi sagrado em Petrópolis, a 18 de julho do mesmo ano, pelo Sr. Núncio Apostólico. Transferido em 1929 para a Diocese de Garanhuns (Pernambuco), ali permaneceu até seu falecimento, aos 19 de maio de 1937.

 

42) MANOEL DA GAMA CABRAL

MILITAR E POLÍTICO

 

Nasceu no Engenho Batalha, município de Espírito Santo, aos 6 de agosto de 1870. Filho e neto de militar, logo cedo seguiu a carreira das armas. Ao atingir o posto de 1º Tenente do Exército preferiu transferir-se para a reserva a ter de seguir para Porto Alegre, para onde fora designado a servir. Seu gesto deveu-se à preocupação com o estado de saúde da esposa, impedida de viajar, fazendo assim truncar um futuro promissor como oficial. Serviu no 27º B.C. da Paraíba e guarnições do Recife e São João del Rey (Minas Gerais) e Rio de Janeiro. Como combatente, participou da Campanha de Canudos, na Bahia. Recebeu diversas medalhas de mérito militar. Primo do Presidente Gama e Melo, a quem acompanhou politicamente, tornou-se Conselheiro Municipal da Capital, chegando a Presidente do Conselho. Foi ainda um dos sócios fundadores do Clube Astréa. Faleceu aos 9 de outubro de 1930.

 

43) MANOEL TAVARES CAVALCANTI

HISTORIADOR E POLÍTICO

 

Nasceu em Alagoa Nova, a 15 de agosto de 1880. Formou-se em Direito, em 1901. De início, foi Professor no Liceu Paraibano e na Escola Normal. Exerceu os cargos de Diretor da Instrução Pública, na Escola Normal e de Chefe de Polícia. Militou também como jornalista na imprensa local. Na política, conseguiu eleger-se Deputado Estadual em 1907, e Federal nos anos de 1909 e entre 1921 e 1929. Escolhido Senador, em 1930, foi facciosamente depurado. A propósito, em manifesto público escreveu: “No panteon dos martirizados pela prepotência avassaladora do Governo encontra-se hoje a inscrição de mais um nome. Este em si mesmo é obscuro e modesto, mas enquadra-o uma grande moldura - a resistência heróica do Estado em que nasceu e que o elegeu”. Dedicou-se a estudos históricos, tendo escrito Epítome da História da Paraíba e Memórias da fundação da Paraíba. Abandonando a política, tornou-se Escrivão da Justiça e Professor Universitário no Rio de Janeiro, onde faleceu, a 1º de abril de 1950. É Patrono da Cadeira nº. 36 da Academia Paraibana de Letras e da Cadeira nº. 27, do Instituto Histórico e Geográfico Paraibano.

 

44) MAXIMIANO LOPES MACHADO

JORNALISTA E PESQUISADOR


Nasceu em Campina Grande, aos 18 de janeiro de 1854. Destacou-se como jornalista combativo, em Pernambuco e na Paraíba. Exerceu o cargo de Oficial de Gabinete do Presidente Álvaro Machado, e, mais tarde, o de Diretor da Repartição de Estatística e Arquivo Público do Estado. Era filho de Maximiano Lopes Machado, político e historiador, autor da História da Província da Paraíba, falecido em 1895, de quem herdou os mesmos pendores de pesquisador. Foi um dos organizadores do Almanaque do Estado da Paraíba. Faleceu aos 16 de julho de 1909.

 

45) ODILON DA SILVA COUTINHO

SACERDOTE E EDUCADOR

 

Nasceu em Pilões, aos 13 de agosto de 1879. Fez seus estudos eclesiásticos no Seminário da Paraíba, tendo sido colega de turma do futuro Arcebispo D. Moisés Coelho, 2º Metropolita da Paraíba, de quem foi Vigário Geral. Ordenou-se sacerdote em 1901. Educador por vocação, foi professor no Seminário Arquidiocesano, Escola Normal Oficial e Liceu Paraibano, tendo sido Diretor deste último por muitos anos. Candidatando-se pelo Partido Progressista, ocupou, de 1934 a 1937, uma cadeira na Assembléia Legislativa como Deputado Estadual. Recebeu as honras de Cônego efetivo do Cabido Metropolitano e Monsenhor Prelado Doméstico de Sua Santidade o Papa. Faleceu a 9 de novembro de 1954.

 

46) PEDRO DA CUNHA PEDROSA

MAGISTRADO E POLÍTICO

 

Nasceu em Umbuzeiro, aos 30 de junho de 1863. Bacharel em Direito, em 1885. Promotor em Timbaúba (Pernambuco), Juiz Municipal em Pilar, Juiz de Direito em Sousa. Como político, elegeu-se Deputado à Constituinte de 1891. Foi Secretário do Estado, Vice-Presidente do Estado, Senador e Ministro do Tribunal de Contas da União. Exerceu ainda a direção de A União e a Provedoria da Santa Casa de Misericórdia. Seu nome foi lembrado pelo Presidente Washington Luís para Vice-Presidente da República em substituição ao falecido Dr.Urbano dos Santos. Faleceu no Rio de Janeiro, aos 20 de março de 1947.

 

47) SANTINO MARIA DA SILVA COUTINHO

EDUCADOR E PRELADO

 

Nasceu em Pilões, a 17 de dezembro de 1868. Fez o curso de humanidades no Seminário de Olinda, e o superior no Colégio Pio Latino-Americano, em Roma, onde se doutorou em Filosofia, Teologia Dogmática e Direito Canônico. Ordenou-se sacerdote em 1891. Regressando ao Brasil, foi Secretário do Bispado da Paraíba, Diretor Espiritual e Professor do Seminário Diocesano e do Liceu Paraibano. Foi ainda Deão do Cabido e Vigário Geral da Diocese. Em 1906, eleito Bispo do Maranhão, antes de sagrar-se, foi elevado a Arcebispo de Belém do Pará, onde se empossou em 1907. Transferido para a Arquidiocese de Maceió, em 1923, ali permaneceu como Metropolita até a data do seu falecimento, que ocorreu na cidade de João Pessoa, aos 10 de janeiro de 1939.

 

48) TEODORO JOSÉ DE SOUZA

JORNALISTA E ORADOR

 

Nasceu em Areia. Fez o curso de humanidades no Colégio Pio X. Ao lado de Diógenes Caldas, Newton Pordeus Seixas, Manoel Otaviano, Manoel Simplício Paiva, e outros, foi um dos fundadores do periódico Voz da Mocidade, órgão da Associação dos Moços Católicos, de que era Presidente. Ficou conhecido em seu meio pelos dotes oratórios e excelente caligrafia. Pertencia também ao Conselho Diocesano da Sociedade São Vicente de Paulo. Tornou-se, depois, colaborador de A Imprensa. Era íntimo do Arcebispo D. Adauto, a quem, muitas vezes, acompanhou pelo interior do Estado, em Visitas Pastorais. Exerceu os cargos de 1º Escriturário da Alfândega e de Arquivista do Liceu Paraibano. Faleceu em desastre automobilístico, nesta capital.

 

 

49) TOMÁS D’AQUINO MINDELO

EDUCADOR E POLÍTICO

 

Nasceu aos 30 de maio de 1860, na capital da então Província da Paraíba. Recebeu o diploma de Bacharel em Ciências Jurídicas, em 1884. Já em 1885, foi nomeado Promotor Público da capital. Em 1889, substituiu como professor catedrático de Geografia, no Liceu Paraibano, o seu próprio pai, o Comendador Tomás d’Aquino Mindelo, então jubilado. Dirigiu aquele estabelecimento de ensino por mais de uma vez. Exerceu ainda o magistério na Escola Normal Oficial do Estado. Eleito Deputado, tornou-se um dos Constituintes de 1892. Foi ainda advogado da outrora Estrada de Ferro Conde d’Eu e da The Great Western of Brazil Railway Co. Ltd. Distinguiu-se como um dos fundadores do Montepio do Estado e do Clube Astréa. Seu nome patrocina o primeiro Grupo Escolar criado na capital. Faleceu a 3 de dezembro de 1934.

 

50) ULRICO SONNTAG

RELIGIOSO E PESQUISADOR

 

Nasceu em Weingarten, na Alemanha,em 24 de maio de 1847. Ordenando-se padre em 1873, ingressou na Ordem Beneditina, em 1878. Chegando ao Brasil, em 1897, como Prior do Mosteiro, na Bahia, foi transferido para a Paraíba, em 1904. Aqui foi também Prior do Mosteiro local, onde fundou uma Escola gratuita para crianças pobres. Notabilizou-se por sua generosa caridade para com os desvalidos, doentes e pestilentos. Na qualidade de Capelão da Santa Casa de Misericórdia, atendia com solicitude aos internados nos hospitais e nos próprios tugúrios, indo pessoalmente a cada um levar o conforto da fé, o remédio e o pão material. Estudioso do passado, desentranhou dos velhos arquivos do seu Mosteiro e deu à publicidade vários documentos de raro interesse histórico. Vítima da sua dedicação aos doentes, contraiu também o mal, morrendo em fama de santidade, aos 18 de maio de 1912. Seu nome patrocina um Orfanato para meninas, nesta capital.

 

 

51) VENÂNCIO AUGUSTO DE MAGALHÃES NEIVA

MAGISTRADO E POLÍTICO

 

Nasceu a 21 de julho de 1849. Bacharel em Direito pela Escola de Olinda, em 1873. Depois de ter sido Promotor e Juiz de Direito, com o advento da República foi escolhido pelo Presidente Marechal Deodoro da Fonseca, aos 6 de dezembro de 1889, Presidente Provisório da Paraíba. Eleito a 25 de julho de 1891 primeiro Presidente Constitucional, foi, em dezembro do mesmo ano, deposto por uma junta que teve o beneplácito do Marechal Floriano Peixoto. Fundou, então, o Partido Autonomista, chefiando a oposição ao Estado. Mais tarde, no Governo Campos Sales, foi nomeado Juiz Federal, na Seção da Paraíba. Retornou à política após a Revolução de 1930. Faleceu no Rio de Janeiro a 17 de fevereiro de 1939.

 

A pesquisa efetuada pelo Monsenhor Eurivaldo Caldas Tavares convenceu-o de que na realidade o número oficial de fundadores do IHGP é 51, razão por que em seu trabalho Ligeira Notícia Biográfica dos Sócios Fundadores, de 1975, fez um breve esboço biográfico de todos eles, o qual se encontra acima transcrito.

Na História do Instituto Histórico e Geográfico Paraibano, Editora Universitária da UFPB, 1998, de Luiz Hugo Guimarães, há um informe da existência de mais dez personalidades que teriam sido sócios fundadores. O informe se apóia no relatório de 7 de setembro de 1910 do 1º Secretário Irineu Pinto publicado na Revista nº. 2 do IHGP, p395/402, que diz textualmente: Possue até aqui o nosso Instituto 59 sócios fundadores, 28 efetivos , 48 correspondentes e 3 beneméritos. São, portanto, mais oito sócios, cujos nomes são: Alfredo Espírito Santo, capitão Augusto Alfredo de Lima Botelho, Cláudio Oscar Soares, Elias Pompílio, Ernesto Augusto da Silva Freire, José Cândido, Manoel Otaviano e Rômulo de Magalhães Pacheco. Na relação de sócios fundadores publicada no Revista nº. 4, de 1912, há uma nova relação com mais dois nomes de sócios, além dos já citados: Dr. José Borba de Vasconcelos e Theodomiro Neves Filho.

Para completar essa lista tentamos fazer uma breve biografia dos sócios mencionados, não conseguindo, porém, subsídios sobre todos eles.

Vejamos o que foi possível encontrar.

 

52) MANUEL OCTAVIANO DE MOURA LIMA

SACERDOTE E HISTORIADOR

 

Nasceu no ano de 1880, em Ibiara. Ingressou no Seminário da Paraíba, onde fez os primeiros estudos, ordenando-se padre em 1910 no Seminário de Teresina, Piauí. Retornou à Paraíba a fim de exercer o sacerdócio, sendo designado Vigário do Brejo do Cruz, indo, em seguida, para as cidades de Catolé do Rocha, Conceição e Piancó. Muito dinâmico e inteligente, conciliava as atividades clericais, a política e o magistério. Começou cedo a escrever para os jornais do Estado, dedicando-se também à literatura. Escreveu romances e peças teatrais que eram encenadas pelos conterrâneos. Foi deputado estadual na primeira República. Era sócio da Academia Paraibana de Letras. São de sua autoria: Os Mártires de Piancó, Emboscada do Destino (romance), O Chefe Político, Curvas do Destino, Frente ao Passado, Mestre Mundo, Tomaz Cajueiro. Faleceu em Piancó, em 1960.

 

53) AUGUSTO ALFREDO DE LIMA BOTELHO

MILITAR E POLÍTICO

 

Nasceu a 10 de abril de 1859. Além de membro da constituinte, foi deputado republicano nos períodos 1896/1899, 1900/1903, 1904/1907. Cursou a Escola Tática Preparatória do Ceará. Era Capitão do Exército, tendo participado da Campanha de Canudos. Faleceu em 20 de janeiro de 1947.

 

 

54) ELIAS POMPÍLIO

DENTISTA E MUSICISTA

 

Natural de Pernambuco, Elias Pompílio fixou residência na capital da Paraíba, onde exerceu a profissão de cirurgião-dentista. Musicista de conceito era sempre convocado para reuniões familiares. Possuía gosto pelas letras. Faleceu na capital do Estado em 1908.

 

55) RÔMULO DE MAGALHÃES PACHECO

Foi eleito 2º Secretário do Instituto para o período 1906/07 e participou da Comissão de Revista desde o primeiro número, em 1907, até a Revista nº. 4, em 1910.

 

56) CLÁUDIO OSCAR SOARES

JORNALISTA

 

Nasceu na capital do Estado e logo cedo demonstrou pendores pelas letras, tendo fundado, com seu irmão Órris Eugênio Soares, o jornal O Norte. De 1910 a 1913 foi o 1º suplente do 1º Secretário do IHGP; em 1913/14 foi membro da Comissão de Revista, época que se transferiu para o Rio de Janeiro, onde faleceu.

 

57) ERNESTO AUGUSTO DA SILVA FREIRE

MAGISTRADO E POLÍTICO

Natural de Pernambuco, nascido em 1846. Formado pela Faculdade de Direito do Recife, veio para a Paraíba, onde exerceu a advocacia. Ocupou, entre outros, os cargos de Juiz Municipal da Capital, Chefe de Polícia, professor do Liceu Paraibano, Juiz de Direito da Capital e membro do Superior Tribunal de Justiça. Faleceu a 15 de outubro de 1911.

58) ALFREDO ESPÍRITO SANTO

59) JOSÉ BORBA DE VASCONCELOS

60) JOSÉ CÂNDIDO

61) THEODOMIRO NEVES FILHO

 

 

QUADRO SOCIAL GERAL

 

sócios efetivos

 

Registramos, a seguir, devidamente atualizado, o Quadro de Associados Efetivos do Instituto Histórico e Geográfico Paraibano, cujo ingresso se iniciou no ano de 1906.

 

 

Nome do sócio

Data do ingresso

José Rodrigues de Carvalho

04.03.1906

Abdon Felinto Milanez

04.03.1906

Oscar Eugênio Soares

21.03.1906

Graciliano Fontino Lordão, cel.

04.05.1906

Alcebíades Enrique da Silva

11.08.1906

Isidro Leite Ferreira de Araújo

11.08.1906

Affonso Joaquim Teixeira

11.08.1906

Antônio Jayme Seixas, ten-cel.

11.08.1906

Álvaro Cezar, padre

11.08.1906

Miguel Raposo

11.08.1906

Adolpho Costa da Cunha Lima

11.08.1906

Arthur dos Anjos

28.08.1906

Américo Falcão

28.08.1906

Mariano Rodrigues Pinto, cel.

07.10.1906

Octacílio de Albuquerque

07.10.1906

Aristides Mascarenhas, cap.ten.

04.11.1906

Antônio Massa

17.02.1907

Augusto Gomes e Silva, cel.

17.02.1907

Trajano Américo Caldas Brandão

20.09.1908

Leonardo Smith de Lima

21.03.1909

Augusto dos Anjos

21.03.1909

Antônio Bernardino dos Santos Neto

21;03.1909

José Ferreira de Novaes

21.03.1909

João Carneiro Monteiro

03.03.1910

Manoel Deodato Henrique de Almeida

07.08.1910

Irineu Joffily

07.08.1910

Honório Lopes Machado, major

21.08.1910

Celso Mariz

18.09.1910

Trajano Américo de Caldas Brandão

20.09.1910

João Lopes Machado

02.10.1910

Ascendino Cunha

02.10.1910

Mathias Freire, padre

02.10.1910

Isaac Modesto Lopes de Lima Barros, ten.

02.10.1910

Edmundo Coelho de Alverga

16.10.1910

Isaac Leão Pinto

20.11.1910

Francisco Camilo de Holanda

19.02.1911

Antônio Simeão dos Santos Leal

19.02.1911

Prudêncio Cotegipe Milanez

19.02.1911

Antônio Baptista Neiva de Figueiredo

12.03.1911

José Américo de Almeida

18.06.1911

Álvaro Pereira de Carvalho

18.05.1913

Octávio Celso de Novaes

18.05.1913

Celso Mariz

19.10.1913

Florentino Barbosa Leite Ferreira

05.04.1914

João Alcides Bezerra Cavalcanti

24.05.1914

Miguel Santa Cruz de Oliveira

11.11.1914

José Gomes Coelho

11.11.1914

Manoel Xavier da Cunha Pedrosa

16.05.1915

Francisco Severiano de Figueiredo Mons.

15.08.1915

Nicodemus da Costa Neves, padre

15.08.1915

Genésio de Andrade

19.11.1916

Ignácio de Almeida

04.03.1917

Pedro Anísio Bezerra Dantas, padre

04.03.1917

José de Lima Vinagre

31.05.1917

João Baptista Milanez, Cônego

28.07.1917

Francisco de Assis e Silva

28.03.1920

Carlos Dias Fernandes

27.02.1921

Eliseu de Barros Maul

00.00.1921

Eudésia de Carvalho Vieira Jardim

03.05.1922

João da Matta Correia Lima

00.00.1923

Joaquim Pessoa Cavalcanti de Albuquerque

14.06.1923

Simão Patrício da Costa Neto

15.02.1925

Paulo Bougard de Magalhães

14.07.1925

João Olyntho do Rego

30.08.1925

Manoel Simplício Paiva

00.00.1926

Nelson Portilho, ten.

10.07.1926

Adhenar Victor de Menezes Vidal

14.07.1926

Anthenor de França Navarro

14.07.1926

Pedro Baptista Guedes

22.05.1927

José d’Avila Lins

12.12.1928

Antônio de Aguiar Bôtto de Menezes

22.09.1929

Estevam Dionysio d’Avila Lins, cel.

23.09.1929

José Baptista de Mello

28.06.1931

João de Deus Mindello da Cruz, cônego

05.08.1931

João Ribeiro da Veiga Pessoa Jr.

11.10.1931

Josa Magalhães

20.03.1932

Antônio d’Avila Lins

20.03.1932

João da Costa Palmeira, cap.

07.09.1934

François Leon Rodrigues Clerot

07.04.1935

Maurício de Medeiros Furtado

01.06.1935

Durwal Cabral de Almeida e Albuquerque

01.06.1935

Raymundo Pimentel Gomes

01.06.1935

Hortêncio de Souza Ribeiro

10.05.1936

Carlos de Gouveia Coelho, padre

14.06.1936

Alice de Azevedo Monteiro

19.07.1936

Analice Caldas de Barros

19.07.1936

Braz da Costa Baracuhy

23.08.1936

Beatriz Ribeiro da Silva

23.08.1936

Olivina Olívia Carneiro da Cunha

23.08.1936

Horácio de Almeida

23.08.1936

Francisco Lima, padre

23.08.1936

Luiz da Silva Pinto

20.06.1937

Apolônio Carneiro da Cunha Nóbrega

06.04.1938

Albertina Correia Lima

06.04.1938

Raul Cavalcanti de Góes

07.09.1938

Lylia Guedes

09.07.1939

Cleantho de Paiva Leite

14.04.1940

Abelardo de Araújo Jurema

09.03.1941

Antônio da Rocha Barreto

15.06.1941

Miguel Falcão de Alves

24.08.1941

João Henrique da Silva

24.08.1941

Octacílio Nóbrega de Queiroz

28.05.1944

Mário da Cunha Raposo

26.11.1944

Clóvis dos Santos Lima

27.05.1945

José Leal Ramos

10.03.1946

Francisco de Assis Vidal Filho

26.05.1946

João Santos Coelho Filho

28.07.1946

João Lélis de Luna Freire

28.07.1946

Aníbal Victor de Lima e Moura

28.07.1946

Oscar de Oliveira Castro

15.11.1947

Lauro Pires Xavier

20.03.1948

Francisco Hugo Almeida de Lima e Moura

28.05.1955

José Pedro Nicodemos

27.10.1956

Sebastião de Azevedo Bastos

26.04..1958

Afonso Pereira da Silva

31.05.1958

Deusdedit de Vasconcelos Leitão

22.11.1962

Cláudio Santa Cruz Costa

28.03.1963

Newton Nobre de Lacerda

05.06.1964

Humberto Carneiro da Cunha Nóbrega

23.10.1964

Wilson Nóbrega Seixas

15.03.1965

Reinaldo de Oliveira Sobrinho

23.04.1965

Alfredo Carlos Schmalz

14.08.1965

Heronides Alves Coelho Filho

18.05.1967

Joffre Borges de Albuquerque

09.06.1967

Wilma dos Santos Cardoso Monteiro

06.10.1967

Sebastião Sinval Fernandes

10.08.1968

Archimedes Cavalcanti

03.12.1969

Antônio Tancredo de Carvalho

04.03.1971

Antônio Victoriano Freire

26.05.1971

José Fernandes de Lima

18.08.1971

Ernani Ayres Sátiro e Sousa

04.11.1971

Joacil de Brito Pereira

31.05.1972

José Octávio de Arruda Mello

09.11.1972

Eurivaldo Caldas Tavares, cônego

20.12.1974

Rosilda Cartaxo

31.07.1975

Eduardo Martins da Silva

22.11.1975

Carmen Coelho de Miranda Freire

17.08.1976

Waldice Mendonça da Silva Porto

27.10.1976

Laudimiro Leite de Almeida

02.02.1977

Sabiniano Alves do Rego Maia

18.03.1977

Maurílio Augusto de Almeida

08.06.1977

Domingos de Azevedo Ribeiro

22.08.1978

Teresinha de Jesus Ramalho Pordeus

10.09.1978

Aurélio Moreno de Albuquerque

20.10.1978

Hélio Nóbrega Zenaide

22.03.1980

Humberto Cavalcanti de Mello

04.12.1980

Marcus Odilon Ribeiro Coutinho

20.11.1981

Altamir Cleto Milanez Pinto

23.07.1982

Aécio Vilar de Aquino

29.07.1983

José Elias Barbosa Borges

12.08.1983

Oswaldo Trigueiro do Valle

04.08.1984

Flávio Sátiro Fernandes

14.12.1984

Diana Soares Galliza

25.05.1985

Fernando Melo do Nascimento

24.05.1986

Maria de Fátima Araújo Gurgel

13.12.1986

Glauce Maria Navarro Burity

17.12.1988

Wellington H. Vasconcelos de Aguiar

18.01.1991

Ascendino Leite

23.03.1991

Amaury de Araújo Vasconcelos

07.06.1991

Luiz Hugo Guimarães

23.08.1991

Adauto Ramos

25.10.1991

Maria Balila Palmeira

10.04.1992

Dorgival Terceiro Neto

29.01.1993

Luiz Augusto da Franca Crispim

28.05.1993

Manoel Batista de Medeiros

18.06.1993

Péricles Vitório Serafim

23.07.1993

Adailton Coelho Costa

10.09.1993

José Rafael de Menezes

29.04.1994

Nivalson Fernandes de Miranda

10.05.1996

Itapuan Bôtto Targino

18.07.1996

Humberto Fonsêca de Lucena

19.02.1999

Martha Maria Falcão de Carvalho Moraes e Santana

26.03.1999

Guilherme Gomes da Silveira d’Avila Lins

09.07.1999

Joaquim Osterne Carneiro

16.06.2000

Rosa Maria Godoy Silveira

25.08.2000

Nelson Coelho da Silva

16.02.2001

Lúcia de Fátima Guerra Ferreira

23.03.2001

Luiz de Barros Guimarães

16.08.2002

Altimar de Alencar Pimentel

22.11.2002

Evandro Dantas Nóbrega

27.06.2003

Francisco Tancredo Torres

19.09.2003

Adylla Rocha Rabelo

05.12.2003

Francisco de Sales Gaudêncio

08.04.2005

 

sócios honorários

 

José Targino Maranhão

João Pessoa (PB)

Marcos Augusto Trindade

João Pessoa (PB)

 

sócios honorários falecidos

 

Alfredo de Toledo

São Paulo

Barão de Homem Melo

Rio de Janeiro

Bernardino José de Souza

Paraíba

Carlos Cyrillo Júnior

São Paulo

Celso Mariz

Paraíba

Domingos Jaguaribe

São Paulo

Edmundo Krug

São Paulo

Gentil de Assis Moura

Paraíba

Gilberto Freyre

Pernambuco

João Lyra Filho

Rio de Janeiro

João Lopes Machado

Paraíba

João Pedro Cardoso

São Paulo

João Rodrigues Coriolano de Medeiros

Paraíba

José Américo de Almeida

Paraíba

José Arthur Boiteux

Paraíba

José Carlos Macedo Soares

Rio de Janeiro

Ludgero Castro, cel.

São Paulo

Mário Moacyr Porto

Paraíba

Marquês de Paranaguá

Rio de Janeiro

Santino Maria da Silva Coutinho

Paraíba

Theodoro Sampaio

São Paulo

Viriato Correia

Rio de Janeiro

 

sócios beneméritos

 

Antônio de Souza Sobrinho

João Pessoa (PB)

Carlos Alberto Pinto Mangueira

João Pessoa (PB)

Dorgival Terceiro Neto

João Pessoa (PB)

Francisco Xavier Monteiro da Franca

João Pessoa (PB)

Hilton Antônio Costa de Oliveira

João Pessoa (PB)

João Claudino Fernandes

Teresina (Pi)

Lafayette Coutinho Torres

João Pessoa (PB)

Neroaldo Pontes de Azevedo

João Pessoa (PB)

Ruy Barreira Vieira

João Pessoa (PB)

Samuel Augusto Alves Corrêa

Brasília (Df)

 

sócios beneméritos falecidos

 

Adauto Aurélio de Miranda Henriques

João Pessoa

Álvaro Lopes Machado

João Pessoa

Argemiro de Figueiredo

Campina Grande

Damásio Barbosa da Franca

João Pessoa

Domício Gondim

Rio de Janeiro

Florentino Barbosa

João Pessoa

Humberto Coutinho de Lucena

João Pessoa

João Agripino Maia Filho

João Pessoa

Tarcísio de Miranda Burity

João Pessoa

Walfredo dos Santos Leal

Areia

 

Sócios Correspondentes Brasileiros

 

Abrahim Sena Baze

Manaus, AM

Adauto Leitão de Araújo Jr.

Fortaleza, CE

Adelino Brandão

Jundiaí, SP

Adilson César

Sorocaba, SP

Adirson Vasconcelos

Brasília, DF

Affonso Deodoro dos Santos

Brasília, DF

Alberto Martins da Silva

Brasília, DF

Alceu Maron

Paranaguá, PR

Ângelo Longo

Niterói, RJ

Antônio Eugênio de Azevedo Taulois

Petrópolis, RJ

Arivaldo Silveira Fontes

Rio de Janeiro, RJ

Arlindo dos Santos Porto

Manaus, AM

Arno Wehling

Rio de Janeiro, RJ

Armando Souto Maior

Recife, PE

Aureliano Pinto de Moura

Rio de Janeiro, RJ

Braz Francisco Raul Pepe

Rio de Janeiro, RJ

Carlos Humberto P. Corrêa

Florianópolis, SC

Célia Camará Ribeiro

Niterói, RJ

Cláudio Moreira Bento, Cel.

Resende, RJ

Consuelo Pondé Sena

Salvador, BA

Cybelle Moreira de Ipanema

Rio de Janeiro, RJ

Douglas Apprato Tenório

Maceió, AL

Douglas Michalany

São Paulo, SP

Edomir Martins de Oliveira

São Luís, MA

Elizabeth Madureira de Siqueira

Cuiabá, MT

Enélio Lima Petrovich

Natal, RN

Esther Caldas Bertoletti

Rio de Janeiro, RJ

Expedito Ramalho de Alencar

Campinas, SP

Fernando Whitaker da Cunha

Rio de Janeiro, RJ

Francisco Teotônio da Luz Neto

Brasília, DF

Frederico Pimentel Gomes

Piracicaba, SP

Gabriel Bittencourt

Vitória, ES

Geraldo Mártires Coelho

Belém, PA

Guaracy de Castro Nogueira

Itaúna, MG

Hélio César Costa

Resende, RJ

Herbert Sardinha Pinto

Belo Horizonte, MG

Hernâni Donato

São Paulo, SP

Ivanilde Baracho de Alencar

Campinas, SP

Jali Meirinho

Florianópolis, SC

Jayme Lustosa de Altavila

Maceió, Al

Jerônimo Vingt-un Rosado

Mossoró, RN

João Ribeiro da Silva

Jonas Leite Chaves

Rio de Janeiro, RJ

Curitiba, PR

Jorge Alencastro de Oliveira Jr.

Porto Alegre, RS

José Alberto N. G. Monteiro

Cuiabá, MT

José Antônio de Ávila Sacramento

São João del Rey, Mg

José Borges de Sales

Fortaleza, CE

José Gláucio Veiga

Recife, PE

José Ibarê Costa Dantas

Aracaju, SE

José Luiz Mota Menezes

Recife, PE

José Mendonça Teles

Goiânia, GO

José Pereira Lins

Dourados, MS

José Soares de Sousa

Aracaju, SE

Laís Medeiros Garcia de Lima

São João del Rey,Mg

Lauro Grein Filho

Curitiba, PR

Leda Boechat Rodrigues

Rio de Janeiro, RJ

Lylia Guedes

Cuiabá, MT

Luís Alberto Cibils

Porto Alegre, RS

Luiz de Castro Souza

Rio de Janeiro, RS

Manuel Eduardo Pinheiro Campos

Fortaleza, CE

Maria Thetis Nunes

Aracaju, SE

Melquíades Pinto Paiva

Rio de Janeiro, RJ

Miguel Augusto Gonçalves de Souza

Belo Horizonte, MG

Miridan Brito Knox Falci

Rio de Janeiro, RJ

Neivo Ângelo Fabris

Getúlio Vargas, RS

Nelly Martins Ferreira Candeias

São Paulo, SP

Neusa Fernandes

Rio de Janeiro, RJ

Ney da Silva Oliveira

Rio de Janeiro, RJ

Nyvaldo Guimarães Macieira

São Luís, MA

Odilon Nogueira Matos

Campinas, SP

Olavo de Medeiros Filho

Natal, RN

Ormando de Morais

Vitória, ES

Paulo Ayrton de Araújo

Fortaleza, CE

Paulo Fernandes de Araújo

Fortaleza, CE

Paulo Pitaluga Costa e Silva

Cuiabá, MT

Pedro de Orleans e Bragança

Petrópolis, RJ

Reinaldo José Carneiro Leão

Recife, PE

Roberto Machado de Carvalho

Itu, SP

Salvador Mata e Silva

Niterói, RJ

Sebastião Moreira Duarte

São Luís, MA

Syllas Agostinho Ferreira

Belo Horizonte, MG

Tarcísio Dinoá Medeiros

Brasília, DF

Tobias Pinheiro

Rio de Janeiro, RJ

Victorino C. Chermont de Miranda

Rio de Janeiro, RJ

Wolmar Olympio Nogueira Borges

Belo Horizonte, MG

Yêdda Pinheiro Borzacov

Porto Velho, RO

 

sócios correspondentes estrangeiros

 

Benjamin Nicolas Teensma

Holanda

Giuseppe Leonardi

Itália

D. Marcus Noronha da Costa

Portugal

 

 

EX-SÓCIOS CORRESPONDENTES

 

A

 

 

 

Adalberto R. da Silva Rocha

Paraíba

Afonso A. de Freitas

Paraíba

Affonso Campos

Paraíba

Affonso Costa

Bahia

Affonso de Escragnolle Taunay

São Paulo

Agripino Trigueiro Castelo Branco

 

Agostín Venturino

Chile

Alcides Bezerra (veja João)

Rio de Janeiro

Alfredo Brandão

Pernambuco

Alfredo Jader de Carvalho Neves, 2º ten.

Rio Gde. do Sul

Alice Gardé Venturino

Chile

Aloysio de Carvalho

Bahia

Amâncio Pereira

Paraíba

Amaro Soares Quintas

Pernambuco

Adalberto Pereira

Pernambuco

Aníbal Falcão Lima

Alagoas

Aníbal Matos

Minas Gerais

Antônio Antídio de Azevedo

Rio Gde.do Norte

Antônio de Araújo Aragão Bulcão

Bahia

Antônio Augusto Correia Lima

Paraíba

Antônio Baião

Portugal

Antônio Carlos Simoens da Silva

Rio de Janeiro

Antônio Carneiro da Rocha, Conselheiro

Bahia

Antônio Egydio Martins

São Paulo

Antônio Feitosa Ferreira Ventura

Paraíba

Antônio Gomes de Araújo, Pe.

Ceará

Antônio Gomes de Arruda Barreto, cel.

Paraíba

Antônio Joaquim de Souza Carneiro

Bahia

Antônio Olynto S. Pinto

Rio de Janeiro

Antônio Rolim, Frei

Rio de Janeiro

Antônio Xavier de Farias

Paraíba

Artur Orlando da Silva

Paraíba

Ataliba Nogueira

São Paulo

Augusto Pergentino Maia

Paraíba

Augusto de Siqueira Cardoso

São Paulo

Augusto Tavares de Lira

Rio Gde.do Norte

Aurélio de Lyra Tavares, gen.

Rio de Janeiro

Aziz Elihimas

Pernambuco

 

 

B

 

 

 

Barão de Studart

Ceará

Benedito Calixto de Jesus

São Paulo

Benjamin Baptista Lins de Albuquerque

Paraná

Bernardino José de Souza

Rio de Janeiro

Braz do Amaral

Bahia

Bruno Alves da Silva Lobo

Rio de Janeiro

 

 

C

 

 

 

Cândido Costa

Rio de Janeiro

Camilo Destruge

Equador

Carlos Pereira da Costa

Pernambuco

Carlos Xavier Paes Barreto

Espírito Santo

Carolina Michaelis de Vasconcelos

Portugal

Celso Muniz

Paraíba

Cláudio Ribeiro Lessa

Rio de Janeiro

Craveiro Costa

Alagoas

 

D

 

 

 

Delmiro Pereira de Andrade, gen.

Rio de Janeiro

Demócrito de Castro e Silva

São Paulo

Diógenes Caldas

Rio de Janeiro

Diogo de Morais

Alagoas

 

 

E

 

 

 

Edgard Roquette Pinto

Rio de Janeiro

Edmundo Krug

São Paulo

Eduardo de Castro Almeida

Portugal

Elias Montalvão do Rosário

Sergipe

Emílio Fernandes de Souza Docca, major

Rio Gde. do Sul

Epiphanio da Fonseca Dória

Sergipe

Epitácio Pessoa Cavalcanti de Albuquerque

Rio de Janeiro

Epitácio da Silva Pessoa

Rio de Janeiro

Ermelino A. de Leão

Paraná

Ernesto de Vasconcelos

-

Estevam Mendonça

Mato Grosso

Etiene Ignácio Brasil

-

Eudes de Luna Freira Correia de Barros

Rio de Janeiro

 

 

F

 

 

 

F. Oliveira Viana

Rio de Janeiro

Felizardo Leite Ferreira

Paraíba

Fenelon Ferreira da Nóbrega

Paraíba

Fidelino Figueiredo

Portugal

Flávio Guerra

Pernambuco

Florentino Barbosa, Pe.

Paraíba

Florentino de Menezes Telles

Sergipe

Francisco Augusto Pereira da Costa

Pernambuco

Francisco Borges de Barros

Bahia

Francisco Fernandez de Bittencourt

Espanha

Frei Gaspar de Montes

São Paulo

Francisco Mendes Pimentel

Minas Gerais

Francisco Moreno Brandão

Alagoas

Francisco de Sá Benevides

Paraíba

Francisco I. Xavier de Moura

São Paulo

Francisco Xavier de Vasconcelos Pedrosa

Rio de Janeiro

Frederico C. Carneiro Monteiro

Paraíba

Frederico Mistral

Chile

 

 

G

 

 

 

Gaspar Regueira Costa

Paraíba

Genézio Crinaldo Gambarra

Paraíba

Gentil de Assis Moura

São Paulo

Gilberto Osório de Andrade

Pernambuco

Gratuliano da Costa Brito

Rio de Janeiro

Gregório Thaumaturgo de Oliveira

Rio de Janeiro

Gudesteu Pires

Minas Gerais

 

 

H

 

 

 

Heliodoro Pires

Paraíba

Hélio Viana

Rio de Janeiro

Heretiano Zenaide

Paraíba

Heráclito Amâncio Pereira

Espírito Santo

Hildebrando de Melo, monge

Pernambuco

Humberto de Queiroz

São Paulo

Hygino Sobreira Rolim

-

 

 

I

 

 

 

Ignácio de Almeida, Pe.

Rio de Janeiro

Ignácio Etiene Brasil

Rio de Janeiro

Inaldo Lira Neves Manta

Rio de Janeiro

 

 

J

 

 

 

Jerônimo Lopes Ayala, conde de Cedillo

Espanha

João Albano Mendes de Sousa

São Paulo

João Alcides Bezerra Cavalcanti

Rio de Janeiro

João B. Rigueira Costa

Pernambuco

João Batista Lins Albuquerque

Paraíba

João Batista Perdigão de Oliveira

Ceará

João Batista Pinto Ramalho

Paraíba

João Cruz, Pe.

Paraíba

João Florentino M. Vasconcelos

São Paulo

João Capistrano de Abreu

Rio de Janeiro

João Fulgêncio de Lima Mindelo

Rio de Janeiro

João Gonçalves Coelho Lisboa

Rio de Janeiro

João Grave

Portugal

João Maximiano F.

Rio de Janeiro

João Nepomuceno Torres

Bahia

João de Oliveira

Ceará

João Orlando da Silva

Paraíba

João Pandiá Calógeras

Rio de Janeiro

João da Silva Guimarães Barreto

Rio de Janeiro

João Vieira Carneiro

Paraíba

Joaquim Diniz, Pe.

Paraíba

Joaquim Estanislau de Medeiros Filho

Paraíba

Joaquim Herculano de Figueiredo

Paraíba

Joaquim Lobo de Macedo

-

Joaquim de Medeiros Filho

Paraíba

Joaquim do Rego Magalhães

Bahia

Jonathas Barreto, cel.

Rio de Janeiro

João Emerenciano

Pernambuco

Jorge Machado

Rio de Janeiro

José Alexandre de Mello Moraes Filho

Paraíba

José Alves de Figueiredo Filho

Rio de Janeiro

José Alves Trigueiro Filho

Paraíba

José de Anchieta Guedes

Rio de Janeiro

José de Andrade

Brasília

José Bonifácio de Andrada Silve

Rio de Janeiro

José Campelo de Albuquerque Galvão

Paraíba

José de Castro Medeiros Sobrinho

Paraíba

José Edilberto Coutinho

Rio de Janeiro

José Duarte Dantas

Rio de Janeiro

José Fábio da Costa Lyra

Paraíba

José Fernandes Vieira

Paraíba

José Figueiredo Filho

Ceará

José Joaquim do Rego Barros

Paraíba

José Francisco da Rocha Pombo

Rio de Janeiro

José Gomes de Sá, cel.

Paraíba

José Joffily Bezerra de Melo

Rio de Janeiro

José Maria Guimarães Moura, major

Rio de Janeiro

José Marcos dos Santos

Pará

José Paulino Duarte, cônego

Paraíba

José Pereira Rego Filho

-

José Pereira Sampaio (Bruno)

Portugal

José Veríssimo

Rio de Janeiro

José Vieira C. Magalhães

São Paulo

José Vieira Fazenda

Rio de Janeiro

Júlio da Conceição

São Paulo

 

 

L

 

 

 

Laurentino Maia Filho

-

Liberalino Augusto de Almeida Cavalcante

-

Liberato Bittencourt, major

Rio de Janeiro

Luiz Aprígio Freire de Carvalho

Paraíba

Luiz José da Costa Filho

Sergipe

Luiz Peçanha

Minas Gerais

Luiz Romano Madeira de Melo

Rio Gde.do Norte

Luiz Romero de Melo

-

Luiz Salles Pessoa, Pe.

Paraíba

Luiz Santiago, Pe.

Paraíba

Luiz Sérgio Thomaz

São Paulo

Luiz Wanderley Torres

-

 

 

M

 

 

 

Manoel Baltazar Pereira Diegues Júnior

Alagoas

Manoel Cícero Peregrino da Silva

Rio de Janeiro

Manoel Dantas Correia de Góes

Paraíba

Manoel G. de Sant’ana Castro

Pernambuco

Manoel Medeiros

Rio Gde.do Norte

Manoel de Oliveira Lima

Rio de Janeiro

Manoel Pio Correria

Rio de Janeiro

Mário Barreto, gen.

Rio de Janeiro

Mário Boaventura Souto Maior

Pernambuco

Mário Mello

Pernambuco

Mário Moura Brasil do Amaral, des.

-

Mauro Motta

Pernambuco

Max Fleiuss

Rio de Janeiro

Miguel de Leonissa

Rio de Janeiro

Mozart Soriano Aderaldo

Ceará

 

 

N

 

 

 

Nelson Coelho de Lima

Minas Gerais

Nestor dos Santos Lima

Rio Gde.do Norte

 

 

O

 

 

 

Octacílio Camelo de Albuquerque

Rio de Janeiro

Odorico Pires Pinto

-

Olympio de Menezes

Bahia

Ordival Cassiano Gomes

Pernambuco

Otávio Augusto de Farias

Rio Gde. do Sul

 

 

P

 

 

 

Pascoal Bandeira Moura

Rio de Janeiro

Paulo Eleutério Alves da Silva

-

Pedro de Azevedo

Portugal

Pedro Celso Uchoa Cavalcanti

Pernambuco

Pedro Dias de Campos, major

São Paulo

Pedro Jacques Paes Botelho

Paraíba

Pedro Joaquim Wellez Botelho

-

Pedro Rodrigues de Almeida

São Paulo

Pedro Veloso da Costa

Pernambuco

Petrônio de Barros Mesquita

Pernambuco

 

 

R

 

 

 

Rafael Galanti, Pe.

Paraíba

Raphael Ferreira

Portugal

Raymundo de Moraes

Amazonas

Remígio de Bellido

Pará

Robert Lehmann Nitche

Argentina

Rodrigo Francisco Pereira

-

Romário Martins

Paraná

Rufino Tavares de Almeida Jr.

São Paulo

 

 

S

 

 

 

Samuel Campello

Pernambuco

Santino Maria da Silva Coutinho, bispo

Paraíba

Sebastião Galvão de Vasconcelos

Pernambuco

Sebastião Paraná

Paraná

Silva Telles

Portugal

Sylvio Romero

Rio de Janeiro

 

 

T

 

 

 

Tito Joaquim Lemos

São Paulo

 

 

V

 

 

 

Valdemar Valente

Pernambuco

Venâncio Neiva

Rio de Janeiro

Venâncio Willeke, OFM

Rio de Janeiro

Vicente de Melillo

São Paulo

Vicente Simões Pereira de Lemos

Rio Gde.do Norte

Visconde de Faria

França

Victorino do Rego Toscano Barreto

-

 

 

Z

 

 

 

Zózimo Consigliere Pedroso

Portugal

 

 




| Inicial | O Que é o IHGP? | Histórico | Símbolos do IHGP | Diretoria | Sócios | Biblioteca | Arquivo |
| Museu | História da Paraíba | Publicações | Links | E-mail | Livro de Visitas | Notícias |


Editor do site